quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 12: REALIZANDO A OBRA DE DEUS - PARTE FINAL

O SIGNIFICADO DE REALIZAR A OBRA DE DEUS
Somos nós que realizamos a obra de Deus. Mas o que realmente significa realizar a obra de Deus? Para as pessoas que procuraram o Senhor Jesus e indagaram dEle o que era realizar a obra de Deus, Ele foi claro:

E, achando-o no outro lado do mar, disseram-lhe: Rabi, quando chegaste aqui? Jesus respondeu e disse-lhes: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais não pêlos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes. Trabalhai não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará, porque a este o Pai, Deus, o selou. Disseram-lhe, pois: Que faremos para executarmos as obras de Deus? Jesus respondeu e disse-lhes:

A obra de Deus é esta: que creiais naquele que por ele enviou (Jo 6.25-29).

Vimos que eles procuraram Jesus porque não queriam ter trabalho para conseguir o sustento material, pois de cinco pães de cevada e dois peixinhos - um lanche de um menino, Ele fez uma multiplicação que alimentou quase 5000 homens, além das mulheres e crianças. Agora seria fácil, no raciocínio deles; quando tivessem qualquer necessidade, Ele prontamente faria o milagre.

Jesus, então, lhes adverte que deveriam trabalhar pela comida que permaneceria para a vida eterna, a qual Ele - Jesus, lhes daria. Entenderam eles que precisavam fazer algo e foram direto ao assunto, perguntando o que seria necessário para realizar as obras de Deus. Jesus lhes informou que não são as obras de Deus que temos que realizar e, sim, a obra de Deus, a qual é crer nAquele que por Ele foi enviado.

HOJE, MESMA PERGUNTA - MESMA RESPOSTA

Esta pergunta formulada ao Senhor Jesus é ouvida em todas as partes, e a resposta é a mesma: Que creiais naquele que por Ele foi enviado. Mas o que é crer nAquele que por Ele foi enviado? Muitas pessoas garantem com a boca cheia que crêem nAquele que Deus enviou, e quando lhes perguntam quem foi que Deus enviou, respondem logo: "Jesus".

De certo modo elas estão certas. Mas, a verdade é que Deus não enviou Jesus propriamente, Deus enviou a Sua Palavra;

Ela encarnou-Se e nasceu Jesus. É certo que Jesus e a Palavra de Deus são a mesma pessoa. Mas, é preciso que se entenda a diferença, pois muitos garantem que crêem em Jesus, mas não vivem de acordo com a Palavra. Eles na verdade se enganam. Quem, de fato, crê no Senhor Jesus pratica a Palavra de Deus.

Então, o que você fará a partir de agora? Se você não fizer a obra de Deus, ela não será feita. O que você diz? Você vai fazer a obra do Senhor?

Se você está doente ou com qualquer problema, pare de ficar pedindo a todo mundo que ore por você e que lhe ajude a conseguir algo de Deus. Decida agora mesmo a fazer a obra dEle. Torne-se num filho obediente, um praticante da Palavra.

--- Fim ---

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 12: REALIZANDO A OBRA DE DEUS - 2°PARTE

O EXEMPLO DE JESUS
Quando Jesus esteve aqui no mundo, curou a todos. Ele nunca aprovou o sofrimento, nem disse a ninguém que Deus queria que ele sofresse. Nesta passagem da cura do cego, Ele não falou que o homem nascera deste modo para que o Senhor Deus algum dia viesse a receber glórias pela sua cura.

Como sabemos, o Novo Testamento foi escrito na língua grega, e o grego daquela época não conhecia os sinais de pontuação como hoje nós conhecemos. Também João, ao escrever o seu Evangelho, não o dividiu em capítulos e versículos, ele o escreveu como uma carta. Atribui-se ao cardeal Hugo, falecido em 1263, ou a Stephen Langton, falecido em 1228, a divisão da Bíblia em capítulos. A divisão em versículos foi obra de Robert Steves em 1551. A tradução deste trecho teria sido melhor se tivesse sido feita deste modo:

Respondeu Jesus: Nem ele pecou, nem seus pais. Mas para que a obra de Deus seja realizada, é necessário que façamos a obra daquele que me enviou, enquanto é dia: a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Como é diferente, não é verdade? Quantos milhões de criaturas têm sofrido desnecessariamente durante anos, porque pensavam que os seus sofrimentos lhes foram dados para que um dia as obras de Deus nelas se manifestassem e Deus recebesse a glória.

Os discípulos perguntaram: Quem pecou: este ou os seus pais para que nascesse cego? A pergunta que fizeram é bastante esquisita. Como poderia ter ele pecado antes de nascer? E, Jesus, respeitando o raciocínio deles lhes diz: Nem ele pecou, nem os seus pais. A pergunta foi respondida; porém, sobre a causa real do sofrimento, Jesus não falou nada. Talvez porque a Escritura já falara, em outras partes, que a causa de todo mal é o pecado de Adão. Porém, aproveitando a ocasião, o Senhor deu uma grande revelação: Mas para que a obra de Deus nele se manifeste, é necessário que façamos a obra daquele que me enviou.

Era Jesus, o homem, quem deveria fazer as obras de Deus. Se Ele não as fizesse, elas não seriam feitas. Durante anos, aquele cego e outros doentes sofreram, porque ninguém fazia as obras de Deus. O mesmo é verdade hoje, milhões estão sofrendo porque a obra de Deus não está sendo feita. Alguém pode sofrer durante anos mesmo sendo membro da melhor igreja: se ele não fizer a obra de Deus em sua vida, isto é, não repreender o mal, não exigir a saída das doenças e o fim do sofrimento, nada será feito.

É necessário que façamos a obra dAquele que nos enviou enquanto é dia. Para isso, recebemos essa missão do Senhor Jesus.

Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem; em meu nome, expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão (Mc 16.15-18).

Quando saíram para fazer a obra de Deus, veja o que aconteceu: E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém! (Mc 16.20).

Acorde, meu irmão! Já fomos enviados. Temos uma missão. Devemos fazê-la já, a partir de agora.

---Continua---

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 12: REALIZANDO A OBRA DE DEUS - 1°PARTE

Entre aqueles que se declaram cristãos é grande o número de pessoas que vivem mal, constituindo-se num péssimo exemplo para o Evangelho; pois, como alguém poderá dar crédito à promessa de vida abundante trazida por Jesus, se aqueles que garantem que vivem debaixo de Sua graça demonstram que a vida abundante não é real. Ela é ou não é real? Pelas promessas bíblicas, sim; pelo viver de muitos, parece que não.

De quem é a culpa? Às vezes a culpa é da própria pessoa. Ela vive desleixadamente sem querer aprender o que a Palavra fala sobre a sua posição em Cristo, não assumindo os seus direitos como membro da família do Senhor.

A culpa pode cair também sobre os pregadores que não ensinam a Verdade (muitos ensinam teologia). Devemos aceitar, ainda, que a culpa pode estar em alguns casos nas pessoas que fizeram as traduções das Sagradas Escrituras. Se bem que temos que reconhecer que eles tentaram fazer o melhor e, de modo geral, foram felizes na obra que realizaram.

Mas, muitos pontos importantes foram traduzidos de um modo meio torcido, e por isso bênçãos têm sido perdidas. É o caso de João 14.13, que já temos estudado bastante neste Curso Fé, em que foi traduzido da seguinte maneira: E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei. Segundo esta tradução qualquer um pode se convencer de que basta pedir a bênção que ela lhe seja concedida. Mas, a verdade é bem outra: conhecemos muitos que vivem pedindo e nada recebem. A razão é que Jesus não falou pedir no sentido que nós conhecemos por pedir e sim determinar, exigir, mandar,

Também é o caso da cura do cego registrada em João 9. Os versículos 3 e 4 foram traduzidos deste modo:

Jesus respondeu: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus. Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

Se esta tradução fosse correta poderíamos acreditar que existem pessoas que nascem cegas, aleijadas e que passam a vida sofrendo para que algum dia nelas se manifestem as obras de Deus. Seguindo este raciocínio, alguém poderia argumentar que Deus não é amor; pois, Ele permite que pessoas nasçam defeituosas e vivam sofrendo, sendo privadas da visão, audição, voz e de outras funções só para que algum dia elas venham a ser curadas e Ele receba a glória. Isto não parece esquisito? Isto é horrível! Este não pode ser o caráter do nosso Deus.

---Continua---

domingo, 19 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 12: REALIZANDO A OBRA DE DEUS - APRESENTAÇÃO

Milhares de pessoas em todo o mundo têm abandonado os seus empregos, casas e famílias para se dedicar a um trabalho que julgam ser a obra de Deus. Será que realmente estão certos? O que fazem é a obra de Deus?

Temos no catolicismo aqueles que abandonaram tudo, e, em alguns casos, até mesmo o convívio com a sociedade, para "servir" a Deus enclausurados em um convento. O mesmo acontece no budismo.

Também podemos citar o caso de rapazes e moças que resolvem fazer o voto do celibato, e, apesar de suas naturezas clamarem pelo relacionamento do casamento, negam a si mesmos este desejo e direito por pensarem que isto é fazer a obra de Deus.

No meio evangélico encontramos algo parecido, desde a proibição de cortar cabelos, feita às mulheres, até longos períodos de jejum, que alguns observam também julgando estar, desse modo, realizando a obra de Deus.

Para o Senhor Jesus, realizar a obra de Deus era a Sua missão. A ela devotava a Sua vida, Se consagrava, viajava, e usava todo o potencial que o Pai havia lhe dado na consecução da mesma.

Nós também temos que realizá-la. O que então devemos fazer para que ela seja realizada? É o que veremos nesta lição.

Podemos ver, pelo que Jesus fez, que a realização da obra de Deus começa por uma submissão ao Pai e continua por colocar a Sua Palavra em ação. E, de uma coisa podemos estar certos: se não fizermos a obra de Deus, ela não será feita.

O Senhor Jesus nos deu o exemplo e nos ensinou como realizar a obra de Deus. Também mostrou o significado de tal realização, o qual é a resposta à pergunta que se faz em todo o mundo sobre o que fazer para realizar a obra do Senhor.

Que, a partir de hoje, você seja um realizador de tal obra, é a minha oração.

---Continua---

sábado, 18 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 11: VÃS REPETIÇÕES - PARTE FINAL

O CASO DAS VÃS REPETIÇÕES
Os gentios-aqueles que não nasceram de novo-tentam, por todos os meios, alcançar algo de Deus. Na verdade, a maioria deles nem está interessada em saber qual é a fonte que vai lhes dar o que pedem, não se importando com o preço que terão que pagar se a fonte não for o Senhor, que não cobra nada de ninguém. É costume deles fazer repetidas orações, acompanhadas de promessas, para que o Senhor lhes dê o que por direito pertence aos que fazem Sua vontade.

É claro que o erro muitas vezes parte daqueles que são seus mestres. É comum o penitente ir ao sacerdote buscando explicação do porquê de seu sofrimento e do porquê de não conseguir o perdão, e, por conseguinte, a paz. E o sacerdote, sem o menor escrúpulo, o induz ao erro, orientando-o a fazer tantos "Pais-Nossos" ou tantas "Ave-Marias" ou quaisquer outras rezas, o que não tem valor algum. A própria oração do Pai-nosso ensinada por Jesus não é para ser "rezada" e, sim, para ser estudada e entendida. Ela é uma fórmula, um modelo de oração.

o evangélico também é comum as pessoas usarem vãs repetições. Quase sempre quando vamos orar para que o povo seja cheio do Espírito Santo, pedimos às pessoas que louvem ao Senhor Deus, e praticamente em 100% dos casos as ouvimos "louvar" a Deus, dizendo: Aleluia, aleluia, aleluia, glória, glória, glória, isto quase sempre num ritmo crescente. É claro que dar aleluias e glórias a Deus é lindo, e sempre que possível deve ser praticado, mas não como é na maioria dos casos, sem o menor sentimento.

Quando formos orar, devemos pensar bem o que estamos fazendo. As nossas palavras devem ser medidas. Devemos evitar as vãs repetições que não nos aproximam do Senhor, bem ao contrário, nos afastam dEle. Não devemos ficar "lembrando" ao Senhor que estamos sofrendo, passando por necessidades etc. Isto não quer dizer que não devemos dizer ao Senhor da nossa revolta contra a miséria, contra a doença ou contra qualquer outro infortúnio. No versículo em que o Senhor Jesus nos orienta a não usar das vãs repetições, Ele nos ensina que o Pai sabe do que precisamos, antes de nós Lho pedirmos.

Aquele que não está firmado na Palavra pode questionar, dizendo: Se Deus sabe do que precisamos, antes de Lho pedirmos, e se Ele é amor e nosso Pai e Todo-poderoso, por que Ele nos deixa sofrer?

Quem assim raciocina não conhece nada da Palavra. Pois, a Escritura nos garante que isso Ele já fez:

Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude (2 Pé 1.3).

ÚTEIS REPETIÇÕES

Se existem as vãs - inúteis - repetições é porque existem as úteis. E elas podem ser feitas? Claro que sim. Quando? Principalmente no nosso combate contra o maligno:
... resisti ao diabo, e ele fugirá de vós (Tg 4.7).

O que é resistir? É ficar curtindo o sofrimento, calado, para mostrar que temos capacidade de aceitar "A vontade de Deus"? Não, isso, além de estupidez, é desconhecimento total da nossa posição em Cristo e do que nos compete fazer, além do que a vontade do Senhor para a nossa vida será sempre o melhor.

Resistir significa: oferecer resistência, opor-se. Numa invasão, o exército do país invadido resiste com armas ao invasor. No nosso caso, que é espiritual, temos que usar as nossas palavras para fazer face aos ataques do inimigo. Devemos, neste caso, usar as úteis repetições (com bom senso) até a vitória se concretizar.

O próprio Jesus usou úteis repetições na libertação do homem que vivia nu, tomado por demônios, na terra dos gadarenos:

E, clamando com grande voz, disse: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Conjuro-te por Deus que não me atormentes. (Porque lhe dizia: Sai deste homem, espírito imundo) (Mc 5.7,8).

---Continua---

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 11: VÃS REPETIÇÕES - 1° PARTE

Sendo a oração o nosso veículo de comunicação com o Pai, devemos aprender a fazê-la de maneira eficiente e produtiva. Há princípios a serem observados para que ela seja operante. Podemos citar alguns:

I - Fé - Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam (Hb 11.6).

II - O Nome de Jesus - E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei... (João 14.13).

Ill - O propósito - ... para que o Pai seja glorificado no Filho (Jo 14.13).

IV - Crer - Por isso, vos digo que tudo o que pedirdes, orando, crede que o recebereis e tê-lo-eis (Mc 11.24).

V - Não duvidar - Peça-a, porém, com fé, não duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento e lançada de uma para outra parte (Tg 1.6).

Além destes princípios básicos, há outros, de não menos importância, que também devem ser seguidos, como o de não usar vãs repetições: E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário antes de vós lho pedirdes (Mt 6.7,8).

Se não forem observados estes princípios, a oração será inútil, e nós estaremos perdendo tempo em fazê-la. É preciso que se aprenda a fazer aquilo que o Pai considera como oração. Ela deve ser algo que funcione; pois, se não for para obter resultados positivos, não devemos orar. Por outro lado, se a oração funciona, vamos usá-la com mais assiduidade.

POR QUE JESUS SEMPRE OBTINHA RESPOSTA?

Sabemos que o Senhor Jesus não operava aqui na terra como Deus. Ao vir ao nosso mundo, Ele despiu-Se da Sua glória e Se fez semelhante a nós. Porém, sem pecado:

Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens (Fp2.7).

Para não sair da presença do Pai, e cumprir sempre a Sua missão, o Senhor estava constantemente em comunhão com o Pai:

E, despedida a multidão, subiu ao monte para orar à parte. E, chegada já a tarde, estava ali só (Mt 14.23).

E, levantando-se de manhã muito cedo, estando ainda escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava (Mc 1.35).

E aconteceu que, naqueles dias, subiu ao monte a orar e passou a noite em oração a Deus (Lc 6.12).

Além destes períodos de consagração, o Senhor sempre agia de acordo com as regras estabelecidas pelo Pai.

Porque eu não tenho falado de mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, ele me deu mandamento sobre o que hei de dizer e sobre o que hei de falar (Jo 12.49).

Qualquer pessoa que estiver em comunhão com o Pai, que viver uma vida de oração e agir sobre o que chamamos de princípios que norteiam a oração irá invariavelmente obter sucesso na vida.

---Continua---

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 11: VÃS REPETIÇÕES - APRESENTAÇÃO

Uma importante advertência foi-nos dada pelo próprio Senhor Jesus: E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes (Mt 6.7,8). Porém, a maioria dos cristãos não dão a menor importância a este conselho do Senhor, e "quebram a cara".

Ora, se a necessidade de evitar as vãs repetições não fosse algo sério e imprescindível, o Senhor jamais teria transmitido tal advertência. Nela vemos além da inutilidade de tal ato, algo que chateia o nosso Pai, pois Ele já sabe do que precisamos antes de mencionarmos.

Se existem as vãs repetições, ou seja, as falsas e improdutivas, é porque existem as verdadeiras e produtivas repetições.

Repetir a nossa posição em Cristo - que cremos na Palavra e exigimos que o mal seja desfeito - não é coisa vã, falsa, móvel e improdutiva. É afirmar nossa decisão de não ceder um milímetro do nosso terreno, é reafirmar nossa determinação, é não ceder a nenhum argumento, é exigir que o nosso direito seja cumprido completamente.

Ninguém é ouvido por muito falar. De nada adianta ficar ao pé do Senhor atazanando-0 com as suas lamúrias, pois isso não dará ao Senhor condições de lhe estender a mão e o ajudar.

O que precisa ser feito é tomar uma posição sobre o que a Palavra garante ser seu e, destemidamente, entrar na presença do Pai em oração e, em Nome de Jesus, declarar como será a partir de então aquele caso, seguindo a Palavra de Deus.

Que você, não usando de vãs repetições, seja uma bênção, é a minha oração.

---Continua---

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 10: CONFISSÃO - PARTE FINAL

FÉ E CONFISSÃO
Já temos aprendido que fé é a certeza das coisas que se esperam, e que ela vem quando damos ouvidos à Palavra de Deus. De nada valerá a fé - a certeza de que alguma bênção é nossa - se não agirmos de acordo com ela, confessando a posição que o Senhor declara ser nossa em relação a qualquer assunto.

A fé é como uma autorização dada pelo Senhor. Após a mesma surgir em nosso espírito, não temos mais de ficar parados, esperando o momento certo - basta agir.

A VERDADEIRA CONFISSÃO

A linguagem da fé é a que os filhos de Deus devem ter. Assim como os incrédulos e os tímidos (ambos não entrarão no reino de Deus) falam dos seus receios e temores, devemos confessar as nossas possibilidades em Cristo Jesus, nosso Senhor.

A confissão da nossa posição na Palavra de Deus é a ferramenta que nos fará invencíveis. Com ela poderemos apagar todos os dardos inflamados do maligno. Temos que ser ousados no que cremos. A confissão do que somos em Cristo fará fugir todo o exército do inferno. O Senhor Deus assim se expressa sobre a nossa confissão: Sou eu quem confirma a palavra do seu servo... (Is 44.26).

Para quem vive na derrota, o nosso modo de falar é arrogante e atrevido. Eles não entendem que esta é a linguagem de quem realmente pertence à família de Deus.

Falar a Palavra de Deus em todos os momentos e diante de todos os desafios fará com que o Deus libertador do passado entre em cena, realizando hoje o mesmo que realizava. Esta é a cura para a igreja fracassada que conhecemos nos dias de hoje. Igreja comprada por Jesus, santificada pelo Seu sangue, revestida de poder pelo Espírito Santo; mas que vive cheia de problemas, lutas, divisões, pecados e fracassos.

A confissão verdadeira fará surgir a igreja verdadeira.

FAZENDO ACONTECER

Agora que você está fervendo na "fé", no conhecimento de quem você é em Cristo, do que lhe pertence na Palavra de Deus, é hora de tomar uma posição firme contra as forças malignas que se levantaram para destruí-lo.

Veja ao seu redor em quantas frentes o diabo tem procurado destruí-lo. Veja todos os obstáculos que você pensava que jamais conseguiria transpor e vencer, e decididamente, com a Palavra de Deus, enfrente-os e vença-os, em o Nome de Jesus. 

Ao invés de ficar na defensiva, esperando nova ofensiva do inimigo, parta para cima dele agora, exigindo que ele e tudo que é dele saiam da sua vida.

Nunca mais tenha o menor receio do inimigo. Assuma agora o que Jesus comprou para você.

---Continua---

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 10: CONFISSÃO - 1°PARTE

Observando a maneira como vive a maioria das pessoas, que se dizem cristãs, podemos concluir que são poucas que aprenderam a importância da confissão. Na verdade, é difícil encontrar uma pessoa que viva a vida abundante que Jesus veio nos trazer. A razão é que o povo de Deus ainda não abandonou o modo negativo de enfrentar os problemas e os ataques do diabo.

A IMPORTÂNCIA DA CONFISSÃO

Quando, ao enfrentar qualquer problema, você diz que não conseguirá ser bem sucedido, no momento em que você faz tal afirmação, sem que perceba, você assina a sua derrota. Este tipo de confissão dá ao inimigo condições para continuar oprimindo-o e para consumar a sua obra de destruição na sua vida. Enredaste-te com as palavras da tua boca, prendeste-te com as palavras da tua boca (Pv 6.2).

Aquilo que você confessa, torna-se, invariavelmente, no que você será ou terá.

Quando você usa palavras negativas ou pessimistas, você está usando a própria linguagem do diabo, e, deste modo, você cria um envolvimento maligno ao seu redor que dificilmente conseguirá ver as oportunidades que estão à sua espera. Do fruto da boca cada um comerá o bem, mas a alma dos prevaricadores comerá a violência (Pv 13.2).

O QUE DEVEMOS CONFESSAR

A vida cristã que abraçamos é chamada pelo Santo Espírito de confissão:

Pelo que, irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo sacerdote da nossa confissão(Hb3.1).

A palavra grega da qual foi traduzida confissão é "homologia", que significa repetição de palavras, conceitos e figuras; falar o mesmo, ou seja: dizer exatamente o que o Senhor diz na Sua Palavra.

Devemos confessar, em todos os momentos em que uma provação vier sobre nós, o que o Senhor fala sobre aquele assunto, e sobre a nossa posição diante de todas as coisas. Fazendo assim, estaremos colocando o poder de Deus agindo em nosso favor. Ele diz: Eu velo sobre a minha palavra para a cumprir (Jr 1.12).

Ao confessarmos a Palavra do Senhor Deus, estamos assumindo a nossa posição no mundo espiritual. Se não fizermos a confissão certa, jamais assumiremos a nossa posição em Cristo, e jamais tomaremos posse de qualquer bênção. Há, ainda, um conhecimento do Senhor Deus que só nos é concedido quando nos apropriamos da Sua Palavra e A confessamos.

UM EXEMPLO PRÁTICO

No seu corpo aparecem sintomas de alguma doença. Olhando para o lado natural das coisas, você deve se cuidar, buscar ajuda na ciência, e pacientemente esperar que a sua saúde se restabeleça. Alguém encontra-se com você e, educadamente, lhe pergunta, como vai? Você responde, com a maior felicidade, que não vai bem, diz que dói aqui e acolá, confessando aquilo que aparentemente é verdade.

Este tipo de atitude, mesmo despercebidamente, dá ao inimigo autorização para continuar atacando-o. Você acabou de aceitar, embora inconsciente, aquele sofrimento.

Que fique bem claro: A tentação de doenças - sintomas - não significa que você já esteja doente; como a tentação de praticar o adultério, ou cometer qualquer crime, não o faz ser um adúltero ou criminoso. É a aceitação - a consumação - que o faz tal.

Você pode indagar: Se estou com os sintomas da doença, devo mentir que não os tenho? Não. A verdade é que só em você reconhecer que os têm já está mentindo. O Senhor Deus afirma em Sua Palavra que pelas feridas de Jesus já fomos curados. Como alguém pode estar mal se Deus declara que ele já foi curado?

O nosso problema é que cremos mais nas coisas, nos sintomas e nas pessoas, do que em Deus.

Uma pessoa é acidentada. O corpo está todo quebrado e cheio de dores. O médico entra na sala e ela pergunta: "Doutor, como estou?" Ele responde: "Ah! você está bem, muito bem mesmo. Breve vai poder sair desta casca de gesso e viver uma vida normal."

Em seguida, entra algum amigo e lhe dirige a famosa pergunta: "Então, como está se sentindo?" A pessoa não pensa duas vezes e responde: "Oh! Estou muito bem."

Esta pessoa acha correto falar de acordo com o médico; mas, muitos cristãos se recusam a falar de acordo com a Palavra de Deus.

Quando você se firma na Palavra e A confessa (não importa o que sente), você está se unindo ao Senhor. Quem se une ao Senhor jamais fracassará. Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito (1 Co 6.17).

---Continua---

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 10: CONFISSÃO - APRESENTAÇÃO

A confissão do que cremos pode ser positiva ou negativa. Ambas são necessárias e úteis. A confissão negativa é a que abre a porta para que o Senhor entre em uma vida. A pessoa confessa que é uma pecadora, e que aceita Jesus como Salvador e Senhor de sua vida.

A confissão negativa deve ser usada somente no início da caminhada, em que a pessoa é salva, e depois quando a pessoa escorrega e cai em transgressão ou pecado. A confissão negativa dá ao Senhor condições de perdoar e levantar o penitente,

Já a confissão positiva nunca deve nos abandonar. Em todos os momentos devemos confessar o que somos em Cristo e o que nos pertence nEle. Ela é a autorização que damos ao poder de Deus para que opere a vontade do Senhor em relação a nós.

Tanto a confissão negativa como a positiva têm que estar firmadas na Palavra de Deus. Desprezá-la é o pior erro que alguém pode cometer. Pois, como o Senhor Jesus afirmou: Sem mim nada podeis fazer (Jo 15.5). Ele, o Senhor Jesus é a Palavra de Deus.

Ao confessarmos positivamente o que somos na Palavra de Deus, veremos que a Palavra operará em nosso favor tão eficientemente, quanto operava no ministério pessoal do Filho de Deus. Os mesmos resultados serão colhidos por quem agir do modo como o Senhor Jesus agia.

A vontade de Deus é que O representemos aqui neste mundo, como o Senhor Jesus O representava. Ele quer que passemos a agir como Seus representantes, como o Senhor Jesus O fazia. Esta é a nossa missão.

Oro para que a sua confissão seja, a partir desta lição, um verdadeiro louvor a Deus.

---Continua---

domingo, 12 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 9: AS PALAVRAS - PARTE FINAL

COMPARANDO-NOS COM JESUS
Vamos observar como Jesus se colocava diante de Deus e o que o próprio Senhor declara a nosso respeito:

1. Jesus: Eu e o Pai somos um (Jo 10.30).
O que a Palavra declara sobre nós: Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito (l Co 6.17).

2. Jesus: ...Não vim de mim mesmo, mas ele me enviou (Jo 8.42).
O que a Palavra declara sobre nós: Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhia vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vos conceda (Jo 15.16).

3. Jesus: O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, e dar vista aos cegos; a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor(Lc4.18,19).
O que a Palavra declara sobre nós: Eis que vos dou poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo, e nada vos fará dano algum (Lc10.19).

4. Jesus: Quando Jesus usava o poder de Deus, para realizar milagres, e se declarava filho de Deus, os invejosos judeus ficavam revoltados e diziam ao Mestre que Ele, sendo homem, Se fazia igual a Deus. Eles não entendiam que, quando alguém é usado na Palavra, ele age como se fosse o próprio Deus. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus (Jo 5.18). 
O que a Palavra declara sobre nós: Pois, se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada) (Jo 10.35).

5. Jesus: Diante da perseguição, Jesus declara que se quisesse poderia pedir ao Pai legiões de anjos que viriam em Seu socorro: Ou pensas tu que eu não poderia, agora, orar a meu Pai e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos? (Mt 26.53).

A nosso respeito o Senhor diz: E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho (Jo 14.13).

A NOSSA CONFISSÃO

Agora está claro que não é propriamente Deus quem cura nos dias de hoje. Isto, às vezes, chega a perturbar algumas pessoas que ouviram a vida toda que deveriam orar, jejuar e pedir a Deus que as curassem. Porém, estamos aprendendo que somos nós que temos que fazer a nossa parte. Este é o caminho mais rápido e seguro para um fluir 100% do poder divino na nossa vida. Sem dúvida, aqui está a resposta que estava faltando para que desfrutássemos saúde, paz, prosperidade ou quaisquer outras bênçãos.

A palavra de autoridade que pronunciamos coloca o poder de Deus em ação.

---Continua---

sábado, 11 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 9: AS PALAVRAS - 1°PARTE

As forças mais poderosas neste mundo não são as armas atômicas ou quaisquer outras armas. São as forças invisíveis e inaudíveis de Deus, as quais são espirituais.

O Senhor, que é Espírito, criou todas as coisas visíveis e invisíveis usando o Seu poder, por meio de Sua Palavra. Foi assim que Ele criou as montanhas, os minerais e os mais diversos tipos de seres viventes: E disse Deus...

Qualquer pessoa passará por uma verdadeira transformação quando descobrir que as palavras que falamos são mais poderosas do que qualquer outra coisa que podemos conhecer. E que aquele que está unido a Cristo tem a seu dispor um verdadeiro exército, pronto para atuar, esperando somente as suas determinações.

AS NOSSAS PALAVRAS

Pouca coisa na nossa vida de fé tem tanta importância quanto as nossas palavras. As palavras que falamos são realmente a tradução mais fiel daquilo que cremos - elas são como um retrato perfeito do nosso espírito. Por isso, é muito importante aprender o valor que elas possuem e exercem em nosso viver.

O Senhor Jesus afirmou que nós teremos exatamente aquilo que, falando, crermos: Tende fé em Deus, porque em verdade vos digo que se qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te ao mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito (Mc 11.22,23).

Prestemos atenção a esta última afirmação do Senhor Jesus: Tudo o que disser lhe será feito. Fica claro que as palavras podem nos edificar, ou nos destruir; nos curar, ou fazer com que fiquemos doentes, nos trazer o sucesso ou a derrota; pois, o que dissermos será o que nos será feito.

Quanto mais rápido e melhor aprendermos o papel que as palavras desempenham na nossa vida, e o que a Bíblia revela sobre elas, melhor viveremos; pois descobriremos que aquilo que tanto precisamos que nos seja concedido, aquela bênção tão necessária, só depende das nossas palavras para que se materialize.

Também descobriremos que somos hoje, exatamente aquilo que, algum tempo atrás, consciente ou inconscientemente, havíamos declarado que seríamos, e que seremos num futuro próximo tudo que agora estamos declarando.

A verdade é que podemos, a partir deste momento, ser o que quisermos. Somos nós que fazemos a diferença e que escrevemos o nosso futuro. Sem dúvida, são as nossas palavras que nos governam, que nos dão saúde, paz, prosperidade e felicidade. São também as nossas palavras que nos fazem derrotados, doentes ou miseráveis.

OBSERVEMOS A MANEIRA DE JESUS FALAR

O Senhor Jesus falava como se Ele e o Pai fossem Um. E realmente O eram: Eu e o Pai somos um (Jo 10.30). O que O fazia ser Um com o Pai? A Sua União com a Palavra. Por isso Ele não tinha falta de nada. Ele sabia que, por falar o que o Pai Lhe havia prescrito, podia ordenar aos demônios que soltassem as suas vítimas, e eles se submeteriam a Ele e sairiam delas sem lhes fazer mal algum. Sabia que podia falar às forças da natureza como Deus (Ele veio como homem), e todas estas leis Lhe obedeciam. Toda a natureza O reconhecia como Senhor; pois a Palavra de Deus em Seus lábios Lhe dava tal prerrogativa. O mar e o vento Lhe obedeciam; Ele caminhava sobre as ondas, transformava água em vinho e multiplicava pães e peixes, além de curar pessoas com todos os tipos de doenças e enfermidades.

Observando a maneira de Jesus agir e de realizar a obra de Deus, podemos ver a importância que Ele dava às palavras. É como se Ele, que veio nos dar o exemplo de como ser mais que vencedor em todas as coisas, dissesse que só conseguiremos aquilo que falarmos - determinarmos, tomarmos posse. E foi exatamente isto que Ele queria dizer. Qual era o Seu segredo? Ele assumia o que o Pai declarara a Seu respeito e confessava abertamente. Talvez tenhamos falhado em não fazer o mesmo.

---Continua---

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 9: AS PALAVRAS - APRESENTAÇÃO

Aqueles que descobrem a importância que as palavras exercem em suas vidas, tornam-se, inevitavelmente, vitoriosos em todos os setores do viver.

As palavras que pronunciamos produzirão o ambiente em que viveremos num futuro próximo. Elas, sem dúvida, nos governam. Somos hoje o que declaramos ser, consciente ou inconscientemente, num passado próximo ou remoto.

Se está no que pronunciamos a razão do nosso sucesso ou fracasso, podemos, então, emendar a nossa conversação para que nos dias vindouros venhamos a encontrar tempos fáceis e felizes.

Quem não se corrige, e não passa a falar positivamente, descobrirá que de nada adianta tentar qualquer outro recurso para melhorar a sua vida. A palavra mal colocada, e é mal colocada aquela que não se alinha com a Palavra de Deus, sempre anulará as mais sinceras intenções.

A pior época para se tomar uma decisão é quando se está passando por uma crise, como doenças, problemas financeiros ou conjugais, etc. Nessa fase, a pessoa deixa a emoção falar e, quase sempre, confessa o oposto à declaração bíblica.

Em qualquer situação devemos confessar o que o Senhor nos ensina. Se não temos uma Palavra inspirada, devemos cerrar os lábios e buscar na Escritura a orientação. Toda palavra sem a unção do Senhor é nula e poderá ainda criar uma situação adversa.

Jesus é o nosso exemplo e padrão. Ele jamais falava dissociado do Pai. Ao usar as Palavras Sagradas Ele Se unia ao Pai, fazendo-se um só com Ele. O mesmo acontecerá com você, se agir do mesmo modo.

A nossa confissão é que determina o que somos diante do Senhor, e de todas as coisas. Ela é quem nos faz fortes ou fracos, sadios ou doentes, vencedores ou derrotados.

Oro para que você seja um produtor de palavras que edificam.

---Continua---

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 8: MAIS QUE VENCEDORES - PARTE FINAL

MAIS QUE VENCEDORES
A palavra de Deus nos garante que em todas as coisas somos mais que vencedores.

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou (Rm 8.37). Porém, para que isto ocorra é importante que o cristão saiba qual é a sua posição diante de Deus, do diabo e diante de todas as coisas, bem como quais são os seus direitos e privilégios.

Após o Senhor Deus ter criado os céus e a terra, e do pó da terra ter feito o homem, o Senhor o abençoou, dizendo: ... Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra (Gn 1.28). Vemos por esta afirmação da Palavra que o homem era, originalmente, mais que vencedor sobres todas as circunstâncias. Foi assim que Deus o fez. Porém, ele errou, traindo ao Senhor, pecando e por conseqüência foi lançado fora da presença de Deus.

Agora Satanás tinha o "direito" de estar aqui e ser o "deus" deste mundo. Assim o diabo ficou "reinando" no mundo até que o último "Adão" aparecesse e o destronasse. Graças a Deus que isto já ocorreu:

Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo... o primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão, em espírito vivificante (1 Co 15.22,45).

Então, desde que a Palavra de Deus declara tudo já foi feito, não temos mais que nos submeter ao diabo, nem aceitar os seus sofrimentos. Além disto, somos considerados pelo Pai como idôneos para participar de Suas bênçãos.

Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz. Ele nos tirou da potestade das trevas e nos transportou para o Reino do Filho de seu amor (Cl 1.12,13).

O Senhor Deus espera que aceitemos esta nossa posição e que passemos a agir como mais que vencedores. O diabo sabe que esta é a nossa real posição. Ele sabe também que ele tem que obedecer a todos que descobrem esta verdade.

SER MAIS QUE VENCEDOR É GLORIFICAR A DEUS

A Bíblia diz: Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus (1 Co 6.20).

Devemos exigir que a doença saia do nosso corpo, deixando-o livre. Pois como poderemos ser considerados como mais que vencedores no corpo, se o mesmo está sendo consumido pela moléstia que a Bíblia garante não ser nossa - a nossa Jesus já levou. Também devemos exigir que todo o pecado saia do nosso espírito, se não nos será impossível ter esta classificação de mais que vencedor.

A nossa redenção é real. Somos território liberto. A escravidão sobre nossa vida terminou. O poder do diabo findou. Agora temos um novo Senhor que nos comprou para Deus e nos fez mais que vencedores.

A NOSSA POSIÇÃO

Temos aprendido nas lições anteriores que somos nós que fazemos a diferença. A nossa atitude é que determina o que realmente somos. Dizer da boca pra fora que em todas estas coisas somos mais que vencedores e não agir de acordo com a Palavra de Deus, nada adianta. Ao contrário, seremos chamados de mentirosos.

Tome agora mesmo a palavra do Senhor ao pé da letra e declare-se mais que vencedor em todas as coisas. Use os seus direitos. Você já foi considerado pelo Pai como idóneo. Tudo depende de você. Não deixe mais o diabo lhe enganar. Agora é a sua hora. Seja para a glória de Deus, mais que vencedor. Assuma sua posição no mundo espiritual.

---Continua---

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 8: MAIS QUE VENCEDORES - 1°PARTE

Após termos aceitado o Senhor Jesus como nosso Salvador e Senhor, devemos tê-Lo, também, como nosso padrão. O Senhor Jesus é o exemplo que temos que seguir. Ele era vencedor em todos os sentidos. Nunca jamais perdeu uma só causa. Em todas as batalhas, Ele simplesmente mostrava que era Senhor. Tudo que realizava aqui na terra era por nós. Ele veio nos dar o exemplo. Era como se Ele dissesse: Vejam bem, é assim que vocês tem de proceder e agir. Façam o que Eu faço e terão o sucesso que tenho.

Vejamos agora como o Senhor Se comportou diante dos mais diversos ataques malignos.

AMEAÇAS E PERSEGUIÇÕES

Depois de ter mandado matar a João Batista, Herodes decide estender as mãos sobre Jesus. Alguns fariseus vêm trazer ao Mestre a notícia das intenções deste caudilho:

Naquele mesmo dia chegaram uns fariseus, dizendo-lhe: Sai e retira-te daqui, porque Herodes quer matar-te. E lhes respondeu: Ide e dizei àquela raposa: eis que eu expulso demônios, e efetuo curas, hoje e amanhã, e no terceiro dia sou consumado (Lc 13.31,32).

Esta é a atitude que Ele espera que todos aqueles que são dEle tenham diante de quaisquer ameaças. Em relação às perseguições que nos sucedem, Ele ensinou:

Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus: porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós (Mt 5.11,12).

DOENÇAS E ENFERMIDADES

Diante de todos os tipos de doenças e enfermidades, o Senhor Jesus se colocava como o Mestre. Sabia Ele que o Pai lhe havia confiado poder e autoridade sobre todas as obras do diabo, e, uma a uma o Senhor ia desfazendo:

E, ao pôr-do-sol, todos os que tinham enfermos de várias doenças lhos traziam; e, impondo as mãos sobre cada um deles, os curava (Lc 4.40).

Para que fôssemos vencedores sobre as doenças e enfermidades, Ele as sofreu em Seu próprio corpo, levando todas elas, para que jamais tivéssemos que sofrê-las.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades: o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras, fomos sarados (Is 53.4,5).

TENTAÇÕES E DEMÔNIOS

Ninguém será tentado pelo diabo, na mesma extensão, como foi o Senhor Jesus. Para tentar o Filho de Deus, o diabo usou de todos os meios e, certamente não teve êxito. Por que o diabo não conseguiu derrotar o nosso Salvador? Porque Ele se firmava na Palavra de Deus e com Ela resistia ao inimigo.

O Senhor deixou o inimigo tentá-Lo e o venceu para nos dar exemplo de que nós também podemos triunfar sobre toda a força do inferno e, principalmente, para nos socorrer em todas as tentações: Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados (Hb 2.18).

Além das tentações que Jesus sofreu após jejuar quarenta dias e quarenta noites, no deserto, o Senhor sofreu outras tentações tão fortes e profundas como estas que o diabo lhe infligiu após o jejum; e Ele venceu todas elas.

A Bíblia diz que Ele foi tentado em tudo: Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado (Hb 4.15).

Em Lucas 4.33-35, temos um relato de um enfrentamento direto do inferno contra o Senhor, e, mais uma vez Ele provou ser o vitorioso:

E estava na sinagoga um homem que tinha um espírito de um demônio imundo, e este exclamou em alta voz, dizendo: Ah! Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste a destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus. E Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te, e sai dele. E o demônio, lançando-o por terra no meio do povo, saiu dele, sem lhe fazer mal.

A Bíblia diz que era um homem que tinha um espírito de um demônio imundo, o qual exclamou em alta voz: que temos nós contigo, Jesus nazareno. Ele falou no plural, apesar de ser um homem com um espírito de um demônio imundo. Ele certamente representava todo o inferno. 
Era o porta-voz das legiões malignas. E, logo tentou confundir Jesus, afirmando que este era o seu lugar de agir; e, que, portanto, estava fazendo o que era um direito seu. Jesus não lhe deu resposta. A seguir, mais uma vez ele tentou confundir o Senhor Jesus, dizendo que ainda não havia chegado o tempo de sua destruição. Novamente o Senhor não entra em diálogo com ele. Então, ele dá a sua última cartada, tentando fazer Jesus tropeçar ao Lhe revelar que sabia ser Ele o Santo de Deus. Pois, como Deus, o Senhor não podia agir livremente aqui na terra. Tentava o diabo fazer Jesus recordar que no princípio Deus dera esta terra para Adão e este a entregou a ele, o diabo, lá no Éden, quando pecou.

O diabo queria tentar a Cristo para que o Senhor aceitasse que não havia ocorrido a encarnação. Pois, sem ter-Se encarnardo, Jesus não poderia operar livremente aqui no nosso mundo. Aí então, o Senhor nos ensina o que fazer com o inimigo, dizendo aquele demônio porta-voz do inferno, que se calasse e saísse do homem; o que ele fez, saindo dele sem lhe fazer mal, depois de o ter lançado por terra.

---Continua---

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 8: MAIS QUE VENCEDORES - APRESENTAÇÃO

Está por ser entendida, pelo povo de Deus, a declaração do Senhor Jesus em que Ele fala do propósito de Sua vinda. Ele disse:... Eu vim para que tenham vida e vida com abundância (Jo 10.10).

Aqueles que conseguem um pouco de luz sobre as suas posições em Cristo, e ousam reivindicá-las, descobrem que em todas as coisas são mais que vencedores.

É claro que todos que querem viver piamente em Cristo sofrerão perseguições. Sempre haverá ameaças e perseguições, mas elas, de modo algum, poderão abalar aqueles que estão sobre a Rocha e que fazem de Cristo a razão de seu viver.

Em relação às doenças, enfermidades e a todos os sofrimentos físicos, mentais ou espirituais, o cristão pode gritar a sua independência e declarar-se mais que vencedor. Jesus é o nosso substituto completo e total. Ele já sofreu para que fôssemos libertos.

As tentações - obras dos demônios - atuam em todos os setores da vida. Porém, diante de todas elas podemos e devemos afirmar que somos mais que vencedores.

Vencer o diabo e todas as suas investidas é o ato que mais louvor traz a Deus. De pouco vale a pessoa ficar repetindo palavras conhecidas como de louvor e adoração, se permite ao maligno que a escravize e destrua.

Não se submeta mais ao inimigo. Diga a ele que em Cristo você é mais que vencedor, que você tudo pode nAquele que o fortalece. Passe a viver de acordo com esta decisão.

Nós temos a obrigação de sermos mais que vencedores. O preço pago por Cristo foi alto e supriu o pagamento completo e total da nossa redenção. Nada mais há para se pagar.

Oro para que a partir desta lição você seja mais um que declarará: Em todas estas coisas sou mais que vencedor.

---Continua---

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

CURSO FÉ - LIÇÃO 7: RESISTIR - PARTE FINAL

RESISTIR - UM MANDAMENTO
Não importa como e onde o inimigo esteja nos tentando, a Palavra de Deus nos manda resistir:

A ordem dada em Tiago 4.7 é clara: ...Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Por esta ordem vemos que somos os responsáveis pelo sucesso ou pela derrota de nossa vida. Se resistirmos ele não somente irá embora, ele fugirá.

É oportuno lembrar que temos que resistir a todo e qualquer ataque do inimigo. Não basta resistir só aos grandes ataques, pois muitas vezes o problema começa bem pequeno e, se não for destruído, causa um grande estrago.

...As raposinhas que fazem mal às vinhas (Ct 2.15).

Outro fato que não devemos nunca esquecer é que o diabo não deixa de nos tentar por sermos de Jesus. Apesar de saber que somos território divino, ele continua lutando para roubar, matar e destruir as nossas vidas. Enquanto não assumirmos a nossa posição de vencedores em Cristo, ele continuará tentando nos destruir.

Resistir ao diabo é simples. Basta que a todo ataque, quer seja sintoma de doença, pensamento negativo, desejo de cometer algum pecado - tudo isto são tentações -, você destemidamente não aceite, e repreenda o mal, exigindo que ele cesse de lhe perturbar e saia de sua vida.

RESISTIR COM O QUÊ?

Não há melhor exemplo de como se deve resistir ao diabo do que aquele dado pelo Senhor, lá no deserto, quando o diabo O tentou; o relato completo se encontra em Mateus cap. 4.1-11.

l - O diabo se aproximou de Jesus e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.

O Senhor respondeu, dizendo: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.

II- O diabo levou Jesus até a cidade santa, colocou-o no pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra.

O Senhor volta a responder, dizendo: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus.

Ill - Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles, e disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.

Então, Jesus lhe ordenou: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás.

Nas três tentativas do diabo, o Senhor usou simplesmente a Palavra de Deus. Ela é a nossa única arma. Para enfrentar o inimigo e as suas tentações, não temos de usar nada mais, somente a Palavra de Deus.

---Continua---